Veja os filmes selecionados!

A novidade do XI Cine Ceará é a abertura da Mostra Competitiva de Longa Metragem para Filmes Nacionais. A competição de Longa Metragem Nacional tem o objetivo de dar maior visibilidade ao cinema brasileiro dentro do festival e apresenta-se como desenvolvimento natural do evento “Pré-Lançamentos Nacionais” que acontecia desde 1995.

“A mostra Pré-Lançamentos Nacionais foi crescendo de tal maneira que foi impossível não transformá-la em competitiva” afirma Wolney Oliveira, Diretor Executivo do Cine Ceará. A crescente produção da indústria nacional também contribuiu para a tomada da decisão.

A abertura da Mostra Competitiva terá a exibição da obra “Juazeiro – A Nova Jerusalém”, do cineasta cearense Rosemberg Cariry, em exibição “hors-concurs”. O prêmio para melhor filme é R$ 10.000,00 (valor bruto)
Local de exibição: Cine São Luis. Sempre às 20 horas.
Dos oito filmes que serão exibidos, cinco são inéditos.

Para a competição foram selecionados seis filmes, sendo três documentários e três ficções:
“JANELA DA ALMA”, de João Jardim e Walter Carvalho;
“O FIM DO SEM FIM”, de Beto Magalhães, Cao Guimarães e Lucas Bambozzi;
“BARRA 68”, de Wladimir Carvalho;
“DOMÉSTICAS”, de Fernando Meirelles e Nando Olival;
“ONDE OS POETAS MORREM PRIMEIRO”, de Werner e Willy Schumann; e
“LATITUDE ZERO”, de Toni Venturi.

Completam a lista das exibições – no Cine São Luis – a mostra de dois filmes
“hour concurs”:

“JUAZEIRO, A NOVA JERUSALÉM”, de Rosemberg Cariry, que abre o festival; e
“MEMÓRIAS PÓSTUMAS”, de André Klotzel, que encerra o festival.

A primeira Competição entre Longa Metragem nacionais movimenta o Cine Ceará, que acontece de 22 a 28 de junho, em Fortaleza. Em sua décima primeira edição, o Cine Ceará apresenta como grande inovação a abertura da Competitiva de Longa Metragem, que conviverá com a tradicional Competição entre Curtas Metragens de todo o País. Dos oito filmes que serão exibidos, cinco são inéditos.

Para a competição foram selecionados seis filmes, sendo três documentários e três ficções:
“JANELA DA ALMA”, de João Jardim e Walter Carvalho;
“O FIM DO SEM FIM”, de Beto Magalhães, Cao Guimarães e Lucas Bambozzi;
“BARRA 68”, de Wladimir Carvalho;
“DOMÉSTICAS”, de Fernando Meirelles e Nando Olival;
“ONDE OS POETAS MORREM PRIMEIRO”, de Werner e Willy Schumann; e
“LATITUDE ZERO”, de Toni Venturi.

Completam a lista das exibições – no Cine São Luis – a mostra de dois filmes
“hour concurs”:

“JUAZEIRO, A NOVA JERUSALÉM”, de Rosemberg Cariry, que abre o festival; e
“MEMÓRIAS PÓSTUMAS”, de André Klotzel, que encerra o festival.

Casa Amarela homenageia parceiros

O XI Cine Ceará – Festival Nacional de Cinema e Vídeo conta com o patrocínio da Coelce e Telemar, que desenvolvem projetos de apoio cultural . Durante o evento, que acontece de 22 a 28 de junho, as duas empresas serão homenageadas pela Casa Amarela com a entrega de uma placa comemorativa aos 30 anos de criação da instituição.

TELEMAR – A homenagem que a Telemar recebe do Cine ceará se deve ao apoio e incentivo que a empresa proprociona à cultua cearense. Através do Fundo Estadual de Cultura (FEC) e do Certificado de Financiamento Cultural (CEFIC), a Telemar investiu, no ano passado, mais de R$2 milhões nas realizações de arte e cultura do Estado em mais de 50 projetos envolvendo música e artes integradas. O objetivo da empresa é promover, junto com o Governo do Estado, movimentos culturais representativos, consistentes e que possam atingir os diversos segmentos da cultura cearense. A Telemar é hoje a maior empresa de telecomunicações do Brasil em faturamento e em número de telefones instalados. Com larga experiência em serviços de telefonia fixa local e de longa distância, possui também serviços para Internet, Transmissão de Dados e Imagens e Videoconferência, entre outros. Para a empresa, o que importa não é o nome Telemar, mas a certeza de estar realizando um trabalho de grande valia para o Ceará. A Telemar também patrocina o Cine Ceará, o que levou a empresa a receber a homenagem.

COELCE – A Companhia Energética do Ceará é a outra empresa homenageada este ano do XI Cine Ceará, pelo apoio que vem dando a cultura do Estado. Através das leis Jereissati, do Audiovisual e Rouanet, a Coelce apoia projetos culturais que, apesar de estarem ligados a áreas diferentes, como fotografia, cinema, artes plásticas, dança e música, apresentam uma característica em comum: realizar um trabalho de caráter social. “Priorizamos os projetos que atendem a um maior número de pessoas, principalmente de baixa renda, que não têm acesso aos eventos culturais da cidade”, diz Álvaro Moncada, diretor de Recursos Humanos da Empresa. Ele acrescenta ainda que “investir em cultura é abrir caminho para a comunicação com os cearenses”. O incentivo à cultura, por parte da Coelce, faz parte da lista de prioridades da empresa, que inclui o Cine Ceará como um dos eventos a quem destina o apoio financeiro.

Vencedores Ano a Ano

Montamos uma lista com todos os vencedores de todos os anos do grande festival Cine Ceara:

  • 1991 Fortaleza prestes a parir
  • 1992 De conto em conto
  • 1993 No passo dos videomakers
  • 1994 A um passo de conquistar o País
  • 1995 Dimensão Nacional
  • 1996 Olhares estrangeiros
  • 1997 Memórias do Sertão
  • 1998 Quando fomos a Beirute
  • 1999 Cinema em estado de graça
  • 2000 Fazer, exibir, descobrir o cinema
Vencedores

XI 11° Cine Ceará homenageou Chico Albuquerque

O fotógrafo Chico Albuquerque, considerado uma referência no setor de fotografia do Ceará, mestre de todos os demais profissionais da área, morto em dezembro do ano passado, recebeu uma homenagem especial do XI Cine Ceará – Festival Nacional de Cinema e Vídeo. A homenagem será feita na solenidade de abertura do evento, às 20 horas do dia 22 de junho, sexta-feira, no Cine São Luiz, Centro de Fortaleza.

fotógrafo Chico Albuquerque
O grande fotografo

Chico Albuquerque teve os primeiros contatos com fotografia através do cinema, em 1932.Dois anos depois, quando o pai, Adhemar Albuquerque, abre o estúdio Aba Film, ele inicia-se profissionalmente na área. Entre 1934/1945, trava conhecimentos com Stephan Rosenbauer e Erwin Von Dessauer e, em 1942, faz still do filme ”It’s all true”, de Orson Welles.

Em 1945, muda-se para em São Paulo, onde trabalha como fotógrafo com estúdio na Avenida Rebouças e milita no Foto Cine Clube Bandeirante. Em 1949, fotografa a primeira campanha publicitária brasileira ilustrada com fotografia, para a Johnson & Johnson. Entre 1967/1973, reestrutura e trabalha no estúdio da Editora Abril. Em 1975, retorna a Fortaleza onde manteve seu estúdio.

Conheça mais sobre Chico Albuquerque

Principais Exposições Individuais
1952 – Jangadas, MASP – Museu de Arte de São Paulo, São Paulo, SP
1978 – Frutas, Banco Boston, São Paulo, SP
1978 – Frutas, Galeria Bonino, Rio de Janeiro, RJ
1980 – Uma Década de Fotografia da Sociedade Paulista, Galeria Fotoptica,
São Paulo, SP
1982 – 130 Fotos de Personalidades Paulistanas, 1945-1955, Galeria
Fotoptica, São Paulo, SP
1986 – Jericoacoara, FotoGaleria Gentil Barreira, Fortaleza, CE,
1987 – Jericoacoara, MIS – Museu da Imagem do São Paulo, São Paulo,SP
1993 – Coleção Pirelli/MASP de fotografias, Museu de Arte de São Paulo,
São Paulo,SP
1998 – Chico Albuquerque, Galeria Ignez Fiuza, Fortaleza, CE
2000 – Chico Albuquerque Fotografias, Centro Dragão do Mar, Fortaleza, CE

Exposições Coletivas Selecionadas
1948 – 15º Salão Fotográfico de Antuérpia, Bélgica
1952 – 1ª Mostra Internacional, Turim, Itália
1956 – 3ª Exposição Internacional ABAF, Rio de Janeiro, RJ
1984 – FotoNordeste, Instituto Nacional da Fotografia – Funarte, Rio de
Janeiro, RJ
1999 – Dia Mundial da Fotografia, MIS – Museu da Imagem e do Som,
Fortaleza, Ce

Publicações
1978 – Álbum Água na Boca, texto de Rubem Braga e desenhos de Aldemir
Martins, São Paulo,SP
1986 – Em Torno da Fotografia Brasileira, P.M. Bardi, São Paulo, SP
1989 – Mucuripe, editado por J. Macêdo S.A., Fortaleza, CE
1993 – Anuário da Abrafoto, São Paulo, SP
1997 – Representado em Imagens da fotografia Brasileira, de Simonetta
Persichetti, São Paulo, SP
2001- Mucuripe, 2ª Edição, Fortaleza,CE

Prêmios
1950 – Prêmio Foto Cine Brasileiro – Medalha de Ouro, Rio de Janeiro, RJ
1950 – IX Salão de Arte Fotográfica, Foto Clube Brasileiro – Primeiro
Lugar, Rio de Janeiro, RJ
1951 – X Salão Fotográfico Internacional de São Paulo – Medalha de
Bronze, São Paulo, SP
1952 – Concurso Alejandro Del Conte – Grande Prêmio de Honra, Buenos
Aires – Argentina
1952/1953 – Salone Internationale de la Técnica, Turim, Itália
1953 – Salão Internacional de Fotografia de San Sebastián, pela Sociedade
Fotográfica de Guipurcod – Medalha de Prata, Espanha
1953 – Salão Internacional de Frankfurt – Medalha de Ouro, Melhor
Retrato, Frankfurt – Alemanha
1954 – XIV Focus, Salon Amsterdan, Holanda
1954 – I Salão Internacional de Santos – Medalha de Prata, Santos, SP
1958 – Homenagem dos publicitários de São Paulo, pela contribuição à
propaganda, São Paulo, SP
1996 – Medalha da Abolição – Homenagem do Governo do Estado do Ceará,
Fortaleza, CE
1998 – Prêmio Nacional de Fotografia – Contribuição à Fotografia
Brasileira, Funarte

Acervos
Museu da Imagem e do Som de São Paulo, São Paulo, SP
Coleção Pirelli/MASP de Fotografias, São Paulo, SP
Banco de dados ITAÚ CULTURAL, São Paulo, SP
Instituto Lina Bo e Pietro Maria Bardi, São Paulo, SP
Fundação Vilanova Artigas, São Paulo, SP
Editora Abril, São Paulo, SP
Aba Film, Fortaleza, CE
Imagem Brasil, Fortaleza, CE