“20.000 Days on Earth”: documentário mostra um dia entre real e ficção na vida da lenda do rock Nick Cave

″No final do século 20, eu deixei de ser um ser humano”. Assim o australiano Nick Cave, uma das grandes lendas vivas do rock, dono de uma voz cavernosa, abre o documentário sobre sua vida – “20.000 Days on Earth” (“20 Mil Dias Sobre a Terra”). Os diretores Iain Forsyth e Jane Pollard imaginaram um dia na vida de Cave – um dia que tem muito de realidade, mas também um pouco de ficção.

Ainda gravando seus álbuns a cada dois ou três anos – o último foi “Push the Sky Away”, em 2013 -, Cave passa seus dias escrevendo em sua casa em Brighton, na Inglaterra – uma cidade que, em suas palavras, “se esforça violentamente pra entrar nas minhas músicas”. Suas melhores rimas vêm de oposições absurdas, “como uma pequena criança e um psicopata na Mongólia”.

Num dos melhores momentos do filme, Cave está no analista e recorda algumas das suas melhores lembranças de infância. “A primeira garota que beijei usava maquiagem branca até na boca, parecia uma máscara de kabuki. Me encantei tanto com ela que comecei a me vestir como mulher em casa. Meu pai começou a se preocupar que eu me tornasse um travesti″.

Sua mais remota lembrança artística foi o pai lendo para ele a primeira página do romance “Lolita”, de Vladimir Nabokov, em voz alta. Ele gagueja quando o analista lhe pergunta qual o seu maior medo. “É perder a memória. Toda a nossa razão de viver está na memória”. Outra revelação é sobre o período em que usava drogas, nos anos 80. “É curioso, essa foi a minha fase de maior interesse por religião. Eu ia à igreja, depois tomava drogas e começava a compor”.

Ao longo do dia, Cave vai encontrando amigos e conhecidos, como o ator Ray Winstone (do filme “Os Infiltrados”) e a também australiana Kylie Minogue, cantora que aparece sedutora em seu carro como uma fantasia, contando sobre a primeira vez em que viu Cave no palco, ainda jovem.

O trabalho de Nick Cave como músico é alvo de uma severa autocrítica. “Sabe, às vezes eu gostaria de ter alguém no estúdio para dizer que a música está longa.″ A melhor canção é sempre aquela que fica no estágio do delírio e do sentimento. “Adoro a sensação de uma música antes de você entendê-la. Quando você entende totalmente uma música, ela perde o interesse pra você”. Ao final, um momento de performance de Cave no palco, hipnotizando os fãs com sua voz grave, explica por quê ele ganhou o status de lenda viva do rock. “Quando estou no palco, gosto de escolher alguns poucos espectadores na plateia e enchê-los de terror”, brinca.

Para quem ficou curioso, abaixo está a entrevista dos diretores (em inglês) contando mais detalhes do documentário. Clica!

Enviado especial a Berlim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *